728x90 AdSpace

Notícias
3 de maio de 2015

A arte de colorir - uma terapia alternativa (mindfulness)


O conceito é simples e está a ser tão "viral", que fez com que, entre os 12 livros mais vendidos nos Estados Unidos, metade sejam álbuns para colorir.
O livro que está em primeiro lugar intitula-se Jardim Secreto e é da autoria de Johanna Basford, que é definida como "uma ilustradora que cria intrincados desenhos à mão, com inspiração na fauna e flora que rodeiam a sua casa na Escócia." A autora de sucesso na Amazon considera que a arteterapia que estes livros permitem é parecida com a situação de se desligar do mundo: "É criativo e não assusta como uma folha em branco. Para muitas pessoas, um livro para colorir satisfaz a nível artístico e acrescenta um toque de nostalgia".

Portugal não foge a esta nova moda editorial e a editora Lua de Papel é a primeira a publicar um destes livros para colorir: Mindfulness - O Livro de Colorir. Como subtítulo tem a frase Terapia anti-stress para toda a família. Um volume que surge no seguimento do enorme sucesso verificado com um outro título publicado pela mesma editora, o livro de auto-ajuda Mindfulness - Atenção Plena, de Mark Williams, autor que veio recentemente a Portugal de propósito promover o livro que já se encontra na terceira edição.

Mindfulness 

significa prestar atenção a um determinado objecto, com intenção, no momento presente e de uma forma não avaliativa. Cultiva-se esta atitude dirigindo a nossa atenção, de forma intencional, a coisas às quais normalmente não dedicamos muito tempo. É uma abordagem sistemática para que se possam desenvolver novas formas de controlo e sabedoria nas nossas vidas, baseada nas nossas capacidades internas para relaxarmos, dedicarmos a atenção, consciência e intuição ao que ocorre ao longo do dia.


A grande sensação do mercado editorial brasileiro, no momento, é "O jardim secreto: livro de colorir e caça ao tesouro antiestresse", da britânica Johanna Basford, lançado no Brasil no final do ano passado. O livro foi o terceiro mais vendido no país em março – mais de 22 mil exemplares no total, 14 mil só na última semana do mês.

O sucesso acompanha os números registados em vários países: na Amazon, "O jardim secreto" é o mais vendido na categoria livros; na Amazon do Canadá, só cedeu o primeiro lugar ao livro  "Floresta Encantada", da mesma autora. Até a versão sul-coreana do livro ficou no topo da lista dos mais vendidos durante todo o mês de janeiro, segundo a Sociedade de Editores da Coreia. 

Várias editoras, em especial na Europa, têm apostado neste género de livro.

A inglesa Michael O’Mara Books começou a publicar livros para colorir em 2012, mas foi no ano passado que viu chegar a moda destes livros, com mais de 300 mil exemplares vendidos. “Já publicávamos livros de colorir para crianças, mas começamos a receber relatos de pais que também gostavam deles”, diz Ana McLaugh­lin, gerente de publicidade e marketing da editora.

Ao contrário dos livros infantis, os que são para adultos têm padrões mais complexos. Já os temas variam de jardins e mandalas a celebridades, como os da ilustradora Mel Elliot, também inglesa, que aposta em livros com desenhos de famosos (o do galã americano Ryan Gosling é um best-seller).

Estes livros funcionam como uma espécie de detox, uma válvula de escape para rotinas que causam stress. “É realmente relaxante porque, ao concentrar-se em colorir com perfeição ou na escolha das cores, a pessoa de facto parece esquecer os problemas do dia”, afirma McLaughlin. “Além disso, ainda tem a vantagem de que não dá para colorir e mexer no telemóvel ao mesmo tempo.”

— Estou encarando o livro como uma terapia, um relaxamento. No final do dia, depois do trabalho, ponho uma música e começo a colorir devagarinho. Não tem motivo para ter pressa. Até agora, só completei quatro desenhos. Por causa do livro, recuperei o gosto por desenhar.
- Maína Mello, astróloga
— Você entra num outro mundo, já que tem que se concentrar muito para não borrar os desenhos. Estou curtindo muito passar horas numa atividade que lembra um pouco a infância.
-Alex Carvalho, fotógrafo

Beleza é fundamental

O sentimento de orgulho e satisfação obtidos quando se completa a pintura, observar a sua beleza, são uma boa explicação para o sucesso destes livros. Esta actividade activa o circuito de recompensa do cérebro, o sistema responsável pela sensação de prazer. Quando estimulado este circuito liberta dopamina, um neurotransmissor que provoca o sentimento de bem-estar. (imagem abaixo)

"Nem todas as tarefas activam este sistema, que se desenvolveu ao longo de milhões de anos para nos impelir a realizar acções úteis para a autopreservação e a preservação da espécie, assim como alimentar-se ou reproduzir-se", explica o neurologista Marino Bianchin, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Tudo o que envolve trabalho manual ou arte também estimula a criatividade e a concentração. Quando se trabalha com cores, o resultado é ainda melhor, já que estas podem provocar diversas sensações como calor, frio ou tranquilidade. O dr. Bianchin explica que isso acontece por herança dos nossos antepassados que, de tanto ver fogo, por exemplo, passaram a associar o vermelho ao calor.

Embora causem uma sensação de prazer e bem-estar, os livros não podem ser encarados como terapia, conforme explicam os arteterapeutas Ana Carmen Nogueira e Alexandre Almeida. "Na arteterapia, há um assunto específico a ser trabalhado e usam-se termos diferentes como pintura ou desenho, para que a pessoa se possa expressar", diz Alexandre. "Os livros de colorir não são terapia mas são relaxantes porque ajudam a proporcionar um momento de pura concentração", completa Ana Carmen. Ou seja, os livros podem funcionar como um "analgésico" para situações de stress, mas não têm um poder efectivo para curar problemas como a depressão ou a ansiedade.


AO VIVO E a CORES - Porque é que colorir relaxa?



1. Ao observar que o desenho já colorido ficou bonito, o sistema límbico do cérebro, responsável pelo controle das nossas emoções e com um papel importante a regular o stress, é activado.

2. Dentro desse sistema, uma parte específica é responsável por proporcionar sensações de prazer - é o circuito de recompensa. Começa na área (a) tegmentar ventral, que transmite impulsos eléctricos até ao (b) núcleo accumbens, parte central do circuito de recompensa. De lá, os impulsos seguem para o (c) córtex pré-frontal, a parte responsável pelo planeamento de actividades.

3.  Como não há contacto físico entre os neurónios, os impulsos precisam de uma "ajuda" para serem transmitidos de uma célula para a outra. Essa "ajuda" é a dopamina, um neurotransmissor que transforma o impulso eléctrico em sinal químico, possibilitando a transmissão. É a libertação da dopamina que causa a sensação de prazer.

Onde encontrar estes livros

  1. podem ser comprados em livrarias, - Bertrand, Fnac
  2. podem ser comprados em livrarias online - Wook, Fnac, Amazon
  3. ou em websites que disponibilizam imagens grátis para serem descarregadas e impressas
O objectivo é colorir desenhos complexos e intrincados para que seja mais fácil a concentração plena na tarefa. Com desenhos mais simples haverá certamente a tendência para a pessoa se distrair com mais facilidade. 


No YouTube já se encontram imensos vídeos que explicam diferentes técnicas de pintura e como usar materiais de pintura diferentes, como por exemplo:






  • Comentar no Blog
  • Comentários no Facebook

0 comentários:

Enviar um comentário

Item Reviewed: A arte de colorir - uma terapia alternativa (mindfulness) Rating: 5 Reviewed By: Fibromialgia em PT