728x90 AdSpace

Notícias
29 de março de 2015

Musicoterapia ajuda a lidar com a dor crónica






Espero ansiosamente que esta terapia e outras que ajudem a ultrapassar a dor estejam disponíveis de norte a sul do país.






Breve explicação da musicoterapia

A Musicoterapia é um processo terapêutico, através do qual o musicoterapeuta, ajuda a pessoa a ligar-se a si mesmo através de uma relação de ajuda com recurso a experiências musicais que acontecem durante as sessões.

Estas são centradas nas necessidades e potencialidades específicas da pessoa, com o objectivo de criar condições facilitadoras para a mudança desejada. É uma intervenção integral que tem em conta a unicidade da pessoa ao nível mental, emocional, social, físico e espiritual.

Baseada numa observação continuada, decorrente de um processo relacional, a intervenção musicoterapêutica cria condições para promover a expressão, a empatia, a escuta, a aceitação, a aprendizagem, a comunicação, a relação, a mobilização, a organização, entre outros aspetos facilitadores do desenvolvimento e do funcionamento pleno da pessoa.

A musicoterapia não exige qualquer formação musical, ela é uma intervenção e todos podem beneficiar dela. Entre outros benefícios podemos verificar:

o Melhoria da qualidade de vida
o Desenvolvimento e activação dos dois hemisférios cerebrais
o Desenvolvimento do conhecimento de si
o Melhoria da capacidade de recordação e memória
o Melhoria da consciência e concentração
o Controle da ansiedade e redução da tensão física e mental
o Criação das condições favoráveis para a aprendizagem
o Criação de oportunidades para desenvolver a liderança
o Auxilio na comunicação e na expressão verbal e não-verbal
o Promoção do desenvolvimento da fala, da linguagem e da comunicação
o Actuação nas questões de comportamento
o Facilitação da expressão de emoções
o Promoção do desenvolvimento da criatividade
o Tomadas de decisão
o Regulação dos desconfortos para aqueles que estão em ambiente hospitalar ou em internamento
o Aumento da autoestima
o Promoção da socialização
o Facilitação do relaxamento
o Controlo da dor
o Desenvolvimento de competências psicomotoras e de coordenação motora

@ Go4Consulting



Musicoterapia porquê?


Sendo inerente ao ser humano, a música é capaz de estimular e despertar emoções, reacções, sensações e sentimentos, possibilitando a abertura de outros canais de comunicação.

Os objectivos podem ser educacionais, recreativos, de reabilitação, preventivos ou psicoterapêuticos, podendo assim responder a necessidades fisicas, emocionais, intelectuais ou sociais do paciente.

A musicoterapia pode ainda ser coadjuvante de outras técnicas terapêuticas, de forma a que estas possam actuar mais eficazmente.

Qualquer pessoa é susceptível de beneficiar de musicoterapia, desde o ventre materno até à terceira idade.

@ SAMP


Unidade da Dor do Hospital de Leiria


A música está a ajudar uma dezena de doentes que integram o Laboratório de Musicoterapia da Unidade de Dor (Unidor) do Centro Hospitalar de Leiria (CHL).
Dois meses e oito sessões após o lançamento do projecto, nota-se "a felicidade no rosto dos doentes", conta à agência Lusa uma das musicoterapeutas, Helena Brites. 
"Ao fim das primeiras sessões percebemos logo uma grande mudança na expressão dos doentes. A forma como saem do laboratório, com visível felicidade no rosto, é das coisas mais evidentes", sublinha a técnica.

O projecto disponibiliza abordagens terapêuticas não farmacológicas aos doentes com dor crónica, tendo a música como principal ferramenta. 
A parceria entre a Unidade de Dor (Unidor) do CHL e o Núcleo de Saúde com Arte da Sociedade Artística e Musical dos Pousos (SAMP) iniciou-se há dois anos, com a formação de uma equipa multidisciplinar.

Há dois meses culminou com o lançamento do Laboratório de Musicoterapia, onde decorrem actividades terapêuticas em sessões semanais que decorrem individualmente e em grupo.

"A apreciação dos intervenientes tem sido muito positiva, manifestando-se pela completa adesão dos doentes seleccionados", explica à agência Lusa a directora da Unidor.

Segundo Ana Mangas, "a música, como outras formas de arte, permite que o doente beneficie do efeito analgésico ao nível do relaxamento, introspecção e 'insight'".

"Há evidência científica que mostra que a música favorece o processo de modulação descendente nas vias da dor, resultando na diminuição da sua intensidade. É também conhecido o seu efeito como ansiolítico e antidepressivo", acrescenta a médica.

A intervenção do laboratório é diferenciada conforme a patologia dos utentes. Em Leiria, uma das interacções envolve um grupo de pacientes com fibromialgia.

"As sessões são adequadas a quem temos à frente, são implementadas para diferentes realidades e diferentes pessoas", explica Helena Brites.

Há sempre uma estrutura fixa, que inclui a canção do "Olá" e do "Adeus", e depois cada um é convidado "a projectar a sua dor, a deitar cá para fora o que sentem, a sua revolta". 
"É importantíssimo para qualquer um de nós identificar os seus estados de alma e projectá-los através do som e da voz. É libertador", frisa a musicoterapeuta.

A cada sessão recriam-se músicas que fazem parte da identidade pessoal de cada um dos participantes e há momentos de relaxamento, utilizando sons da natureza.

Apesar do "feedback" positivo, é prematuro apurar os índices de eficácia deste tipo de tratamento no Centro Hospitalar de Leiria, defende Ana Mangas.

"O projeto está a decorrer numa primeira fase que pretende ser de diagnóstico e de ajuste entre as necessidades dos doentes e a oferta da equipa. Sabemos, no entanto, que a aposta da unidade de dor na complementaridade terapêutica das abordagens não farmacológicas no controlo da dor será uma mais-valia para os utentes da nossa região".

Para as técnicas do NSA, cada sessão é um privilégio: "Uma coisa é apresentar uma obra de arte a alguém. Outra é fazer o que gostamos de forma a trazer um benefício para alguém, ajudando a mudar algo na sua vida. Isso deixa-nos bastante felizmente e reverte imenso a nosso favor", conclui Helena Brites.

@Notícias ao Minuto
partilhado por Cláudia S. Veiga no Grupo Fibromialgia em Portugal
Eis aqui um vídeo de parte de uma reportagem televisiva emitida pelo programa "La Mañana" da televisão espanhola, na qual se fala dos efeitos benéficos da música, trazida por musicoterapeutas, para minimizar os danos causados pela dor em pacientes crónicos. A reportagem foca-se no projecto do "Hospital de La Paz de Madrid".



Vídeo publicado em Março.2014

  • Comentar no Blog
  • Comentários no Facebook

0 comentários:

Enviar um comentário

Item Reviewed: Musicoterapia ajuda a lidar com a dor crónica Rating: 5 Reviewed By: Fibromialgia em PT